Não perca mais nenhuma novidade!

Assine nosso blog e ative as notificações para receber os melhores conteúdos da Sociedade Brasileira de Hipnose.

Sim, eu aceito receber os conteúdos da SBH e compreendo que posso me descadastrar a qualquer momento.

Auto-hipnose: o que é e será que posso fazê-la?

A hipnose tem mesmo muitas possibilidades: você pode utilizá-la para auxiliar na cessação do tabagismo, no emagrecimento, na redução da ansiedade, no tratamento de transtornos mentais e muito mais. 

Se a hipnoterapia pode ser tão vantajosa, então, a auto-hipnose também deve trazer muito benefícios, certo? 

É nesse tema que vamos aprofundar hoje. Acompanhe para saber tudo sobre auto-hipnose! 

O que é a hipnose?

Antes de aprofundar no assunto da auto-hipnose, é preciso trazer algumas explicações fundamentais para não sobrar nenhuma dúvida. Isso é importante especialmente porque a hipnose já foi muito prejudicada por acusações de charlatanismo ou de que é uma prática perigosa. Mas estamos aqui para desmistificar a prática. 

Segundo a Associação Americana de Psicologia, a hipnose é um estado de consciência que pode ser induzido intencionalmente por um profissional. A partir disso, o sujeito fica com atenção concentrada e uma consciência periférica reduzida, o que gera maior capacidade de resposta à sugestão. 

Ou seja, a partir da orientação de um profissional, a pessoa é conduzida a experimentar mudanças nas sensações, percepções, pensamentos ou comportamento, sempre com foco em um objetivo (normalmente terapêutico).

A hipnose é regulamentada e reconhecida pelos conselhos de Medicina e diversos outros e pode ser utilizada clinicamente por diferentes profissionais: psicólogos, psiquiatras, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, dentistas, enfermeiros e médicos em geral, desde que eles sejam capacitados e certificados por uma instituição reconhecida no assunto

Como a técnica da hipnose já foi – e ainda é – muito utilizada em formato de “shows” ou “mágica”, às vezes, ela é entendida como um poder sobrenatural do hipnotizador com o único objetivo de incentivar as pessoas a terem atitudes ou pensamentos que não teriam em situações corriqueiras. E isso pode confundir os conceitos. 

Antes de ir em frente nesta leitura, tenha em mente que a hipnose não é um estado místico, sono, lavagem cerebral, controle mental, inconsciência ou mesmo um estado alterado peculiar. Até porque, uma pessoa hipnotizada está sempre – necessariamente, caso contrário não seria hipnose ou hipnoterapia – em controle, consciente, em um estado natural que não oferece perigo nenhum e, sobretudo, capaz de sair da hipnose quando quiser

Os mitos que circulam por aí sobre a hipnose  

Tome muito cuidado com o que você ouve por aí, pois é muito comum que algumas crenças equivocadas prejudiquem o verdadeiro processo de hipnose ou mesmo dificulte que as pessoas cheguem até ele. 

Veja alguns exemplos do que (definitivamente) não é verdade: 

“Você será obrigado a fazer algo que não quer”

Obviamente isso não acontece, até porque, para a hipnoterapia, você precisa, sobretudo, querer estar naquele processo. Você não vai procurar uma nutricionista e dizer a ela que quer engordar caso o seu objetivo seja exatamente o contrário, certo? 

“A hipnose funciona apenas para quem está vulnerável ou é fraco”

Jamais, até porque todas as pessoas podem ser hipnotizadas, mesmo que em diferentes níveis, já que a hipnose nada mais é do que estar em um estado de atenção e alta concentração. 

“Você perde a consciência”

Isso não acontece. No máximo, você poderá dormir por estar muito relaxado. 

“Você vai dizer coisas que não quer ou revelar seus segredos” 

Imagine que você esteja em uma sessão de terapia clínica, convencional. Você normalmente não quer dizer ao terapeuta uma informação específica, mas sabe que aquilo é importante para o seu processo e, então, resolve externá-la – conscientemente. 

É isso que pode acontecer durante uma sessão de hipnose, e você estará totalmente no controle para saber o que quer dizer.

“Você vai ficar preso e nunca mais voltar ao seu estado normal”.

Não, porque não tem esse onde em você “fica preso”. 

Como já falamos, a hipnoterapia pode te ajudar em determinados processos apenas porque você fica em um estado de grande concentração e relaxamento e, por isso, mais aberto a sugestões que chegam. 

É como se você estivesse fazendo um exercício de matemática e ficasse totalmente concentrado. 

Você não vai continuar naquele estado assim que terminá-lo, porque foi momentâneo. Ou seja, sempre que a sessão de hipnoterapia terminar, você voltará à sua rotina normalmente. Quando você para de receber os estímulos, sai naturalmente do estado hipnótico.

E a auto-hipnose: é possível e benéfica?

Quem tem maior intimidade com a hipnose costuma utilizá-la em si mesmo para fins terapêuticos, mudando comportamentos e hábitos prejudiciais à saúde (mental, emocional ou física). 

A técnica também pode funcionar como um aliado do alívio do estresse, da ansiedade e até da depressão. 

Como a hipnose pode ser caracterizada ainda como um estado de atenção altamente focada (e assim, como falamos, mais suscetível a sugestões), é completamente possível fazê-la em você mesmo. 

Mas é preciso lembrar, claro, que você precisa estar disposto, ter força de vontade e se deixar levar. Vamos aos passos!

Passo a passo para a auto-hipnose

  1. Defina o seu objetivo

Antes de iniciar o processo, tenha bem definido qual é o seu objetivo. Assim, você poderá ter a recorrência na prática da auto-hipnose mantendo as sugestões que direcionam para a realização do seu objetivo. 

Entenda: se você quiser relaxar, vai utilizar uma sugestão específica que traduza isso, como, “agora eu me sinto mais tranquilo e sinto cada parte do meu corpo mais solta”. 

Essa sugestão, é claro, vai variar de acordo com o seu objetivo. Ou seja, ela será outra caso você esteja buscando a cessação do tabagismo ou o emagrecimento, por exemplo. 

O exemplo anterior tem o objetivo de relaxamento. Assim, você deve adaptá-lo ao que deseja alcançar com a técnica.

  1. Reduza todas as distrações ao seu redor

Certifique-se, antes de começar, que você está em um lugar calmo, sem perturbações ao redor. 

Deixe longe o telefone, a televisão, o computador e qualquer equipamento que possa despertar a sua atenção. Foque em você! 

  1. Sente-se em um lugar confortável, sem cruzar as pernas ou os pés

É preferível estar sentado, porque deitar pode facilitar que você durma (e nem sempre esse é o objetivo). 

Sente-se em uma cadeira ou poltrona confortável, sempre se sentindo bastante à vontade. Use roupas confortáveis, esteja sem óculos ou lentes de contato, sem os sapatos ou com calçados que não incomodem. 

  1. Fixe seu olhar em um ponto do teto

Olhe para cima e respire fundo. Mas cuidado para não inclinar a cabeça para trás ou esticar o pescoço, para não sentir dor. 

Escolha um ponto e fixe seu olhar ali, respirando profundamente. Então, segure o ar por um tempo maior que o normal e, só depois, solte-o. 

Repita em silêncio para você mesmo a seguinte sugestão: “Meus olhos estão pesados e eu desejo entrar, agora, em auto-hipnose”. 

Execute esse passo algumas vezes, até que seus olhos realmente fiquem pesados. Fale para você de maneira convincente, suave, sem pressão. Prefira conversar consigo mesmo sempre de uma maneira pau-sa-da e monótona.

  1. Permita que seu corpo relaxe

Deixe seu corpo ficar solto e mole na cadeira. Depois que você estiver verdadeiramente se sentindo assim, conte de 5 a 1. 

Repita para você: “A cada contagem, eu vou ficar cada vez mais relaxado”. E, enquanto faz isso, concentre-se na sua respiração e mantenha-se relaxado. 

O importante, nesse momento, é você sentir-se relaxado naturalmente, sem precisar se esforçar para isso. Então, lembre-se disso enquanto seu corpo relaxa: “Eu estou relaxando sem mesmo precisar forçar esse estado”. 

  1. Depois de se sentir totalmente relaxado, conte de 1 a 5 e desperte

Repita que, neste processo, você está cada vez mais consciente do que está perto de você. Conte de 1 a 5 com ânimo e energia e, ao chegar no 5, abra os os olhos. 

Estique os pés e os braços. Repita essa técnica algumas vezes – quatro ou cinco, por exemplo – e sinta-se cada vez mais relaxado durante a contagem. 

Você também pode repetir para você algumas ordens nesse sentido, como: “Eu vou acordar agora”. 

Caso não se sinta à vontade com a contagem literal, você também pode sugerir a sua mente algum movimento. Pense, por exemplo, que você está subindo uma escada com 5 degraus, ou mesmo subindo um elevador.  

  1. Pronto. Você fez a auto-hipnose! 

Percebeu como não há nada de anormal, peculiar ou mágico? 

É possível que você se sinta um pouco mais lento ou com sono depois de sair desse estado. Portanto, evite ter atitudes que exijam grande atenção ou que possam te colocar em risco, como conduzir máquinas ou dirigir. 

A sensação é parecida com a que você tem ao acordar de um cochilo e, da mesma forma, não oferece perigo e passa em pouco tempo. 

Eu não senti nada ou perdi a concentração. E agora? 

Não há problema nenhum em não sentir nada. Aliás, é natural que a auto-hipnose exija um aprendizado e, por isso, é muito importante que você não force a concentração descontroladamente em qualquer um dos passos.

Tente algumas vezes, em dias alternados, e encare cada uma das tentativas como um aprendizado. Naturalmente, um dia, você se sentirá exatamente como esperava, sem precisar forçar a sua mente.

Aceite o seu ritmo, acredite em você e vá no seu tempo.

Quero atingir um determinado objetivo com a auto-hipnose, como fazer? 

Como já falamos, a hipnose é um estado em que você se sente mais aberto e está mais suscetível a sugestões. Ou seja, depois da auto-hipnose, você pode fazer sugestões a você mesmo, de acordo com o seu objetivo. 

Por exemplo:

  • “Quero me sentir mais calmo e eu posso fazer isso”, 
  • “Desejo parar de fumar, pois isso prejudica a minha saúde”, 
  • “Quero reeducar a minha alimentação e ter hábitos mais saudáveis”. 

Para que os resultados sejam efetivos, é muito importante ter algumas diretrizes em mente: 

  • Seja sincero enquanto fala com você mesmo. É muito importante que você seja verdadeiro consigo mesmo e esteja, sobretudo, confortável e confiante. 
  • Formule as repetições de maneira positiva, evitando usar o “não”. Não diga, por exemplo, “eu não consigo parar de fumar” ou “eu não vou reeducar a minha alimentação”. Foque sempre na possibilidade positiva, exatamente aquela que você quer atingir: “vou parar de fumar”, “vou me alimentar melhor” etc. 
  • Trace metas reais e cabíveis à sua rotina. De preferência, seja específico. Em vez de dizer que quer se livrar de um vício, diga que vício é esse. 

Exemplos de repetições que você pode fazer 

Seguindo o passo a passo que desenhamos acima, veja algumas alternativas de como você pode fazer as repetições para você mesmo. 

Não é necessário segui-las a risca, o mais importante é que você seja verdadeiro e fale de uma maneira com a qual se sinta completamente confortável. 

  • “Eu vou, agora, entrar em um processo de auto-hipnose. Por isso, estou deixando naturalmente que o meu corpo relaxe. Ele está ficando cada vez mais mole e solto. Eu consigo identificar exatamente onde esse conforto está. A cada vez que me concentro na minha respiração, esse conforto vai ficando ainda mais evidente.”
  • “Eu conto de 5 a 0 e vou me sentindo cada vez mais relaxado. Eu me imagino em um jardim florido, cheio de rosas amarelas e orquídeas azuis. Passeio pelo jardim e toco as flores com as pontas dos dedos, sentindo o vento balançar os meus cabelos.” 
  • “Esse jardim está em uma casa de praia e, agora, eu vou caminhando para a varanda, de onde consigo ver o mar. As ondas estão calmas e se repetem em uma frequência semelhante à minha respiração. Lanço todos os meus medos e preocupações para o mar e, em um movimento repetitivo com a minha mão, levo-os para longe. Eles agora estão cada vez mais distantes de mim, facilitando o meu estado relaxado, tranquilo e despreocupado. As ondas do mar levaram tudo aquilo que me aflige e, agora, em um movimento contrário, estão trazendo apenas coisas boas para mim. A cada vez que isso acontece, me sinto mais aliviado, satisfeito e pleno”.

4 dicas para a auto-hipnose ser efetiva 

  1. Tenha uma frequência e se planeje. Defina, por exemplo, que você fará a auto-hipnose três vezes na semana, sempre após o café da manhã ou outro momento de sua preferência. Tenha disciplina. 
  2. Se enquanto você estiver fazendo outro exercício surgir uma sugestão hipnótica que você quer considerar, anote-as, imediatamente, no computador ou mesmo em um bloco de papel. Se preferir, você pode fazer o seu próprio roteiro para aplicá-lo na próxima tentativa. 
  3. Crie imagens que funcionem para você. Se você quer ficar mais tranquilo, por exemplo, visualize paisagens que costumam te deixar relaxado, como um sítio ou um jardim repleto de flores. 
  4. Não desista na primeira tentativa. Lembre-se de acreditar em você mesmo e entender que a auto-hipnose pode funcionar como um processo. Caso você não consiga da primeira vez, não significa que ela nunca vai funcionar. 

Quer entender melhor a hipnoterapia e estar cada vez mais preparado para realizar a auto-hipnose? Conheça hipnoterapeutas da sua região: acesse app.hipnose.com.br e veja as opções para atendimento on-line ou presencial.

Gostou do artigo?

0 / 5 5

Your page rank:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Mais conteúdos interessantes

Gostou do artigo? Deixe seu comentário abaixo

Novidades

Mais acessados

Não perca mais nenhuma novidade!

Assine nosso blog e ative as notificações para receber os melhores conteúdos da Sociedade Brasileira de Hipnose.

Sim, eu aceito receber os conteúdos da SBH e compreendo que posso me descadastrar a qualquer momento.