Não perca mais nenhuma novidade!

Assine nosso blog e ative as notificações para receber os melhores conteúdos da Sociedade Brasileira de Hipnose.

Sim, eu aceito receber os conteúdos da SBH e compreendo que posso me descadastrar a qualquer momento.

Como funciona a auto-hipnose para pacientes com ansiedade

Por causa da pandemia, houve um aumento de 80% dos brasileiros que começaram a ter problemas com a ansiedade. Essa é uma estimativa, de um estudo da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul). Mas a hipnose pode ser a resposta para essas pessoas que procuram alguma solução, principalmente, sem a necessidade de medicamentos. 

Apesar da situação negativa, ela abre a oportunidade para o hipnoterapeuta profissional ajudar no tratamento dessas pessoas ansiosas. Além disso, o hipnoterapeuta que sabe ensinar a auto-hipnose para controlar a ansiedade, pode conseguir resultados mais significativos e ter mais sucesso em sua carreira. 

Por isso, vamos tratar neste conteúdo sobre a importância de ensinar a auto-hipnose. Confira!

Por que a auto-hipnose pode ajudar no controle da ansiedade?

A ansiedade é um mecanismo natural do nosso corpo, é a ativação do que chamamos de sistema nervoso simpático, que é um mecanismo que sinaliza que ocorrerá punição ou ausência de uma recompensa esperada (frustração), gerando, dessa forma, o que chamamos de ansiedade antecipatória.

Conhecer como funciona a modulação do sistema simpático e sistema parassimpático é muito importante para todos profissionais de saúde. Veja como funciona:

O sistema nervoso simpático é o que te prepara para luta ou fuga, ele é um sistema que deixa o indivíduo tenso e o parassimpático é um sistema “frenador”, ou seja, que vai diminuir essas tensões. 

Quando estamos ansiosos a nossa boca fica seca, dilata a pupila, aumenta a produção de adrenalina e estimula o aumento do ritmo cardíaco. Esses são exatamente os sintomas da ativação simpática.

Enquanto o parassimpático vai reduzir essa atividade, estimulando a salivação, diminuindo o ritmo cardíaco e diminuindo a pressão, promovendo o relaxamento. 

Quando a atividade do simpático aumenta, o parassimpático baixa em atividade, e quando a atividade do simpático abaixa, o parassimpático aumenta em atividade. Eles funcionam como uma balança, um modulando o outro.

Quando diminuímos o Tônus Simpático para relaxar por meio da auto hipnose, obtemos: 

● Diminuição da pressão arterial, diminuição da frequência respiratória e frequência cardíaca; 

● Diminuição da liberação de cortisol, adrenalina, noradrenalina;

● Diminuição da força de contração cardíaca, contração dos vasos sanguíneos (vasodilatação), resistência periférica, diminuição da glicemia e agregação plaquetária (síndrome metabólica);

● Diminuição da contração do esfíncter anal;

● Diminuição das contrações do intestino grosso (cólon irritável);

● Aumento da: filtração glomerular (renal), secreção de insulina, salivação, estimulação de movimento do intestino delgado (diminui a distensão abdominal), aumento da eliminação de urina pela bexiga (contração vesical). 

Por causa disso, as pessoas ansiosas, podem desenvolver alguns sintomas físicos e psicológicos que afetam diretamente sua rotina. Veja abaixo alguns deles:

Sintomas psicológicos da ansiedade

  • Apreensão;
  • Medo;
  • Angústia;
  • Inquietação;
  • Insônia;
  • Dificuldade de concentração;
  • Incapacidade de relaxar; 
  • Sensação de estar “no limite”; 
  • Preocupações com desgraças futuras; 
  • Pensamentos catastróficos, ruína ou adoecimento.

Esses sintomas, não são resolvidos apenas com uma atitude de “deixar para lá”, pois o indivíduo ansioso pode perder o controle dos seus pensamentos e se deixar levar pelos sentimentos negativos que surgem, principalmente quando a ansiedade já leva o indivíduo a crises intensas. É por isso que a hipnose pode ajudar com esse problema.

A hipnose e auto-hipnose

Segundo a American Psychological Association (APA), com pequenas considerações da Sociedade Brasileira de Hipnose (SBH), a hipnose pode ser definida como um estado de consciência [induzido intencionalmente] que envolve atenção concentrada e consciência periférica reduzida, caracterizado por uma maior capacidade de resposta à sugestão. Nesse estado, o sujeito é conduzido a experimentar mudanças nas sensações, percepções, pensamentos ou comportamento [orientado a um objetivo].

A partir dessa definição, vemos que o hipnoterapeuta pode auxiliar seus pacientes que sofrem de ansiedade, de forma a entenderem melhor as causas desse problema, os possíveis gatilhos, sentimentos e pensamentos dos pacientes que podem estar relacionados com memórias, expectativas quebradas ou até crenças negativas

Mas como a ansiedade pode ser um problema diário e o profissional não pode estar disponível 24h, como o terapeuta poderia dar assistência ao seu paciente se ele tivesse uma crise de ansiedade, e não pudesse ajudá-lo? 

Neste caso, uma das recomendações é que o hipnoterapeuta ensine ao seu paciente a fazer exercícios de regulação emocional, como é o caso da auto-hipnose. Ela é uma ótima ferramenta para auxiliar seus pacientes em momentos de crise, mas também para praticar diariamente os aprendizados das consultas.

A auto-hipnose pode ser feita diariamente, por meio de relaxamento e as sugestões necessárias que são ensinadas pelo profissional. Assim, a auto-hipnose pode acontecer por meio de áudios e vídeos pré-gravados ou então repetindo o exercício aprendido mentalmente. O objetivo tem que ser que o paciente execute os exercícios da melhor forma em que ele se adaptar, de forma que ele possa praticar ou tenha acesso sempre que precisar.

Dessa forma, o paciente tem uma forma disponível a qualquer horário do seu dia, para recorrer à ajuda. É um processo intenso de criar autonomia para esse sujeito assumir o controle do seu próprio processo terapêutico. 

Auto-hipnose na medicina

Auto-hipnose na medicina

Existem exemplos que mostram a efetividade do uso da auto-hipnose que se tornaram memoráveis. Em um documento do caso do Victor Rausch (1980), o cirurgião odontológico que já tinha experimentando procedimentos com a hipnose, quando precisou remover seu pâncreas, ele usou a auto-hipnose como sua única forma de anestesia.
Há estudos científicos que mostram que os profissionais treinados a aplicar auto-hipnose podem ajudar os pacientes a superar condições clínicas. Dentre elas estão incluídas:

  • Ansiedade;
  • Dor;
  • Dores de cabeça;
  • Falta de ar crônica;
  • Síndrome do intestino irritável.

Dessa forma, a auto-hipnose com o auxílio de um hipnoterapeuta profissional, pode dar um maior controle às pessoas de sua saúde emocional, propondo a elas uma alternativa que não precisem de medicamentos e favorece uma maior resistência mental a situações negativas impostas internamente ou pelo ambiente que esses pacientes vivem. 

Portanto, se você está procurando aprender hipnose, acesse a nossa agenda de cursos para fazer um treinamento oficial da SBH.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Gostou do artigo? Deixe seu comentário abaixo

Mais conteúdos interessantes

Novidades

Mais acessados

Não perca mais nenhuma novidade!

Assine nosso blog e ative as notificações para receber os melhores conteúdos da Sociedade Brasileira de Hipnose.

Sim, eu aceito receber os conteúdos da SBH e compreendo que posso me descadastrar a qualquer momento.