Não perca mais nenhuma novidade!

Assine nosso blog e ative as notificações para receber os melhores conteúdos da Sociedade Brasileira de Hipnose.

Sim, eu aceito receber os conteúdos da SBH e compreendo que posso me descadastrar a qualquer momento.

Como o altruísmo pode beneficiar seus pacientes

Não é errado viver para tentar satisfazer suas necessidades, mas quando os pacientes começam a fazer isso de forma desequilibrada, pode ser um sinal de atenção para os terapeutas. Esse desequilíbrio, acontece quando o paciente passa a ignorar completamente a necessidade das outras pessoas e isso o inibe de aproveitar dos benefícios sociais em ser altruísta com as pessoas a sua volta.

Mas o que de fato é altruísmo? Quais são seus benefícios e como seu paciente pode ter essa característica? Responderemos a cada uma dessas perguntas a seguir, confira!

O que é altruísmo?

O altruísmo pode ser definido como um ato voluntário em que o indivíduo sacrifica algo de pessoal, como tempo, capital e outras coisas, para auxiliar outro indivíduo a conquistar algo que necessita. Geralmente, o altruísmo, é motivado apenas pela preocupação e bem-estar do outro.

Não é uma preocupação excessiva, ao ponto do paciente altruísta negar totalmente suas características individuais, como sonhos, desejos, necessidades e motivações.

Metaforicamente, ser altruísta, seria utilizar as orientações de voo em caso de emergência, “coloque a máscara de oxigênio primeiro em você, para depois auxiliar os passageiros ao seu lado”.

Para ficar mais claro, veja abaixo, alguns exemplos de altruísmo:

  • fazer algo para outra pessoa sem esperar uma recompensa;
  • renunciar coisas que podem trazer benefícios pessoais, caso isso possa promover algum dano a outros;
  • ajudar alguém apesar dos custos ou riscos;
  • compartilhar recursos, mesmo que esteja em um período de dificuldade;
  • mostrar preocupação com o bem-estar de outra pessoa.

Tipos de altruísmo

Vale ressaltar que, de acordo com verywell mind, os psicólogos já encontraram alguns tipos de altruísmo.

O altruísmo genético, como o nome sugere, é um tipo de altruísmo que envolve membros próximos da família. Por exemplo, pais e outros membros da família que constantemente se sacrificam em prol das necessidades de cada membro da família.

O outro tipo é o altruísmo recíproco, Ele acontece quando um indivíduo quer retornar a ajuda de outra pessoa, como forma de agradecimento e retornar o favor.

Há também o altruísmo de grupos selecionados. Nesse tipo o indivíduo é altruísta com base em grupo de pessoas que gosta, promovendo suporte sociais e beneficiando o grupo como um todo.


Agora o altruísmo puro é um tipo moral que o indivíduo se envolve em ajudar as pessoas, mesmo com muitos riscos e sem garantia nenhuma de recompensa. Ele é motivado por seus valores morais.

Mas, quais seriam os benefícios para seu paciente ser altruísta? Vamos responder essa pergunta no tópico a seguir.

Quais são os benefícios do altruísmo?

Segundo um estudo da PMC, o altruísmo manifestado em atos de voluntariado, ajuda informal e hábitos naturais de prestação de suporte, promovem nos indivíduos, emoções positivas. Essas emoções davam a sensação aos indivíduos de bem-estar com a vida.

Outros benefícios do altruísmo que podemos destacar são: a promoção do bem-estar psicológico, o aumento do suporte social, a manutenção do senso de perspectiva, alívio de estresse e incentivo a uma comunidade melhor. 

O bem-estar psicológico vem quando o indivíduo altruísta percebe que suas ações estão promovendo boas emoções e pensamentos positivos sobre si mesmo e as pessoas. É um exercício de se importar com outras pessoas conhecidas e desconhecidas, e isso acaba modificando os hábitos de pensamento do altruísmo. Isso acaba se relacionando com os outros benefícios.


O aumento do suporte social acontece quando o indivíduo começa a agir naturalmente, e experimentando novas atitudes e sacrifícios que o possibilitam investigar e buscar fazer mais. Isso acaba ajudando na manutenção da perspectiva da sua vida, desde se tornar mais grato pelo que tem, em relação à vida dos mais necessitados, até podendo mudar sua visão e compreensão do mundo.

Tudo isso acaba influenciando outros indivíduos a serem altruístas também, o que gera um senso de preocupação comunitário, criando uma comunidade melhor e com mais harmonia. Por fim, alguns motivos de estresse que podem ser ligados aos pensamentos ou a atitude egoístas dos outros, podem ser diminuídos com intensidade, fazendo com que o altruísta tenha menos problemas com o estresse.

Agora, como seu paciente pode ter essa característica e se tornar um indivíduo altruísta? Confira, a seguir!

Como seu paciente pode se tornar altruísta?

Como terapeuta, você já deve ter identificado que seus pacientes são pessoas diferentes, com níveis de altruísmo ou egoísmo diferentes, e isso pode criar dificuldades para ensinar seus pacientes a terem mais essa característica. Mesmo que o paciente precise de tempo e prática para adquirir essa habilidade, alguns podem nem se interessarem em tomar o primeiro passo com pequenas ações.

Por isso, é importante que o paciente antes mesmo de ser inserido no desafio em ser altruísta, é recomendado que ele seja provocado a refletir e questionar sobre seu egoísmo e o impacto que isso tem causado para sua vida. É bom avaliar se o paciente não possui alguma experiência ou trauma ligado a ações de altruísmo quando era criança e sofreu abusos por conta disso, ou outros problemas que o deixaram distante de querer ser altruísta.

Nesse caso, a hipnose pode ajudar com que esse paciente se coloque de forma assertiva no lugar do outro, percebendo suas ações e necessidades, além de praticar profundamente a empatia, o que pode ajudar a desencadear mais ações altruístas da sua parte.

Caso o paciente mostre interesse, o terapeuta pode indicar a seguir os seguintes passos:

  • O paciente deve procurar uma pessoa na sua rotina em que você possa ajudar sem esperar nada em troca e observe o que sentiu quando a ajudou;
  • nem todas as ajudas precisam ser financeiras, e podem começar com amigos ou familiares que precisam que cuidem do cachorro, da casa  ou gostariam de receber um agrado, como um doce caseiro;
  • O paciente ao ajudar deve refletir o que seria da sociedade se as pessoas tivessem mais esse comportamento;
  • Por fim, ele deve ser orientado durante as sessões a explorar mais esses atos até que ele consiga fazer naturalmente e sentir prazer nisso.

Portanto, caso o terapeuta identifique que seu paciente poderia usufruir dos benefícios em ser altruísta, mas ele possui dificuldades em agir dessa forma, o terapeuta pode utilizar a hipnose para conduzir melhor seu paciente e ajudá-lo a remover os possíveis obstáculos psicológicos. Dessa forma, o terapeuta consegue ajudar seu paciente a equilibrar suas vontades com as necessidades sociais, de forma que seja saudável e funcional.

Se você gostou desse conteúdo e ficou interessado em saber mais sobre como um hipnoterapeuta pode ajudar as pessoas, leia nosso artigo sobre os benefícios da hipnose para crianças.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Gostou do artigo? Deixe seu comentário abaixo

Mais conteúdos interessantes

Novidades

Mais acessados

Não perca mais nenhuma novidade!

Assine nosso blog e ative as notificações para receber os melhores conteúdos da Sociedade Brasileira de Hipnose.

Sim, eu aceito receber os conteúdos da SBH e compreendo que posso me descadastrar a qualquer momento.