Não perca mais nenhuma novidade!

Assine nosso blog e ative as notificações para receber os melhores conteúdos da Sociedade Brasileira de Hipnose.

Sim, eu aceito receber os conteúdos da SBH e compreendo que posso me descadastrar a qualquer momento.

Coronavírus em grávidas: como a hipnose pode ajudar

O coronavírus em grávidas é um assunto que ainda não atingiu um esclarecimento científico. São muitas dúvidas a respeito dos efeitos do vírus nas gestantes e seus perigos para a mãe e a criança. Além disso, o Brasil é o país com mais mortes de grávidas por COVID-19, o que acaba gerando uma preocupação ainda maior para as gestantes brasileiras.

Essa preocupação, sem cuidados corretos, pode ser o início de algum transtorno psicológico como a ansiedade, aumentando os perigos que elas podem enfrentar.

Dessa forma, selecionamos as informações mais atualizadas sobre o assunto para esclarecer, os riscos do coronavírus em grávidas e mostrar como a hipnose clínica pode ajudar as gestantes a lidar com essas preocupações.

Quais são os riscos do Coronavírus em grávidas?

De acordo com a Unimed, os estudos mais recentes mostram que não existe uma comprovação científica de que a gestante tem mais chances de apresentar algum estado grave de saúde se contrair o coronavírus. Mas se a gestante já tiver problemas como hipertensão, diabetes e IMC maior que 30, os riscos são maiores para ficar em estado grave.

Contudo, segundo The American College of Obstetricians and Gynecologists (ACOG), mulheres gestantes que possuem COVID-19 e apresentam sintomas, estão mais propensas a terem sintomas mais graves do que as mulheres não gestantes. Também afirmam que as mulheres gestantes estão mais propensas a precisar de tratamento na UTI, com respirador e maiores chances de morrerem com o vírus.

Para as mulheres gestantes negras e hispânicas, a situação é pior. Sendo seus índices de casos graves, piores do que as mulheres brancas, mas não por causa da sua biologia,e sim por condições socioeconômicas que impedem seu tratamento adequado. A boa notícia é que a ACOG também afirma que o risco para a mulher gestante morrer por causa do vírus, é baixo. 

O vírus pode passar para o bebê?

Mesmo que o risco de morte ainda seja baixo, o nível de preocupação e ansiedade das gestantes também está relacionado com a saúde do bebê. Pela últimas evidências que a ACOG revela, existem alguns casos de contaminação vertical do vírus. Isso significa que existe passagem do vírus no corpo da gestante, para placenta e depois para a bebê. Mas é algo raro, e no início da pandemia ainda não era admitido que isso era possível. Por isso, em sua pesquisa, tome cuidado com as informações desatualizadas.

Agora, segundo os estudos da Northwestern University, há chances do coronavírus causar danos à placenta. Descobriram que em 16 mulheres testadas com COVID-19, enquanto estavam grávidas, apresentaram danos na corrente sanguínea da placenta. Como a placenta é o primeiro órgão para a formação do feto, dependendo da sua danificação, a criança pode sofrer consequências das ações do vírus.

Como a grávida pode se proteger?

De acordo com o Centers of Disease Control and Prevention (CDC), as vacinas são recomendadas para as gestantes, já que é uma forma de diminuir as chances das grávidas terem algum caso grave com o vírus. A recomendação se mantém para a mulher que já esteja no período de amamentação, ou que esteja tentando ficar grávida. 


Os efeitos colaterais com as vacinas mRNA, podem ser uma sensação de gripe e febre, se for a segunda dose. Elas possuem um material genético do vírus que são inofensivos para seus genes e para o seu DNA, mas efeitos colaterais são normais de acontecerem. Em caso de febre depois de tomar a vacina, você deve seguir a recomendação médica do seu obstetra de confiança. Seu médico também deve ser consultado antes de tomar a vacina.

Além disso, existem outras formas para evitar a contaminação do vírus que são as formas que qualquer pessoa deve seguir:

  • Lave as mãos frequentemente;
  • Sempre use a máscara ao sair;
  • Não toque nos olhos, nariz e boca;
  • Ao tossir ou espirrar, cubra a boca e o nariz com o antebraço;
  • Tenha um distanciamento social de pelo menos de dois metros.

Isso no cotidiano da gestante, que deve ir frequentemente ao médico, correndo riscos maiores de contaminação, acontece da seguinte forma: deve-se tomar cuidado para não se aglomerar nas salas de espera. Seus acompanhantes não devem ser pessoas do grupo de risco, como crianças, idosos e pessoas com problemas de saúde que podem se agravar com a contaminação, como diabetes e hipertensão.

Como a hipnose clínica pode ajudar?

Devido ao clima de alta tensão que é gerado pela pandemia, as grávidas precisam de todo auxílio terapêutico para que não sofram por um processo traumático. A ansiedade na gravidez é outro transtorno que pode surgir durante esse período, gerando os seguintes sintomas:

  • palpitações e dores no peito;
  • um sentimento de desgraça iminente;
  • respiração ofegante;
  • falta de ar;
  • agitação nas pernas e nos braços;
  • tensão muscular;
  • enxaquecas;
  • boca seca;
  • tremedeira;
  • cansaço;
  • insônia;
  • diarreia; 
  • dificuldade de concentração;
  • irritabilidade; 
  • sudorese; 
  • náuseas;
  • medo.

Como funciona a hipnose clínica para gestantes?

Se a gestante já possui suas complicações e níveis de ansiedade durante a gravidez, é possível que seu quadro se intensifique devido a COVID-19, principalmente se ela for contaminada. Contudo, a hipnose clínica pode ser usada para aliviar essa tensão e também para preparar a mulher para lidar melhor com as suas mudanças corporais e de humor, além de trazer mais tranquilidade.

Com a hipnose, a gestante mantém sua atenção mais focada em pensamentos e sensações positivas ao invés de pensamentos ou especulações negativas. Embora essa técnica possa ter efeitos instantâneos, seus exercícios de relaxamento e respiração podem ser cada vez mais eficazes com a repetição.

Além disso, a hipnose pode ser usada por qualquer pessoa treinada. As sessões de Hipnose podem ser feitas por um acompanhante da gestante preparado para isso, ou por profissionais da área da saúde como terapeutas e obstetras. 

Dessa forma, a hipnose pode ajudar a superar essa fase da pandemia pois ela evita que a mulher tenha mais complicações durante a sua gestação.

Mesmo que a hipnose não ajude a combater o vírus, ela auxilia no combate de transtornos psicológicos que podem surgir nessa época, com ou sem a contaminação do COVID-19. Além disso, ela também pode agir diretamente nas necessidades das gestantes proporcionando uma experiência de gestação mais positiva.

Então, se você quer saber mais sobre como é a ciência da hipnose na gravidez, baixe nosso e-book gratuito sobre HypnoPregancy & ChildBirth.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Gostou do artigo? Deixe seu comentário abaixo

Mais conteúdos interessantes

Novidades

Mais acessados

Não perca mais nenhuma novidade!

Assine nosso blog e ative as notificações para receber os melhores conteúdos da Sociedade Brasileira de Hipnose.

Sim, eu aceito receber os conteúdos da SBH e compreendo que posso me descadastrar a qualquer momento.